50 tons de cinza dos vereadores que votam contra o Jabaquara.


Grêmio SER Sudeste – Promoção da Cidadania e Defesa do Consumidor
http://www.gremiosudeste.wordpress.com

50 tons de cinza dos vereadores que votam contra o Jabaquara.

O PL 722-2015 transfere investimentos do Jabaquara para a região da Berrini, Pinheiros e Chucri Zaidan. Mais R$ 4 bilhões sem investigar onde torraram os outros R$ 4 bilhões…

Em uma ilegal sessão extraordinária da Câmara Municipal de São Paulo, 50 vereadores aprovaram o PL 722-2015. O PL atende aos interesses inconfessáveis das grandes construtoras e da especulação imobiliária (conforme palavras do presidente Milton Leite).

Embora estejam noticiando que o PL 722-2015 (com modificações) é para arrecadar dinheiro para a construção de moradias populares, a própria apresentação do PL já confessa que o objetivo é a especulação imobiliária:
“Aprova o Plano Urbanístico Complementar do Setor Chucri Zaidan da Operação Urbana Consorciada Água Espraiada, nos Distritos de Santo Amaro e Itaim Bibi”.

Especulação imobiliária
A especulação imobiliária ficou evidente no dispositivo referente aos CEPACs (Certificados de Potencial Adicional de Construção): transferiram 250 mil metros quadrados do Jabaquara para a região da Berrini, Pinheiros e Chucri Zaidan. E não digam que essa transferência é “impessoal”, pois o representante da Secretaria Municipal de Urbanismo disse que já foi procurado por investidores; e que não existe interesse em investir no Jabaquara (ata da audiência pública de 19-08-2018)…
Não será surpresa se já houver planos para a construção de um shopping center na região…

A enganação com as moradias sociais.
É evidente que estão utilizando a legitima mobilização dos movimentos populares para, na verdade, levantar recursos bilionários para atender às construtoras e à especulação imobiliária.
Embora o projeto de lei 722-2015 determine que se gaste 30% dos valores arrecadados com moradia popular, o prazo é de até 5 anos… e não tem metas anuais… e não tem quem fiscalize…
E não informa que foram contratadas somente 4 mil moradias (em licitação fraudada);
E não diz nada sobre as outras 8.500 famílias já cadastradas;
E ignora 20 mil famílias carentes na região de Americanópolis, Jd, Lourdes e Vila Clara;
E acaba com o direito dos inquilinos também serem inscritos em programas habitacionais;
E acaba com o direito dos moradores atingidos pelas obras continuarem morando no Jabaquara…

50 tons de cinza dos vereadores paulistanos
É óbvio que os 50 vereadores votam contra o Jabaquara por interesses diversos. Mas o que os une é o fato de nenhum deles representar o Jabaquara. Aliás, faz mais de 30 anos que o Jabaquara não elege um seu represente para a Câmara Municipal, embora tenha 240 mil moradores, sendo 180 mil eleitores registrados. Estes 50 vereadores só vem ao Jabaquara de 4 em 4 anos para beliscar alguns votos…
Mesmo com a construtora Odebrecht confessando a fraude na licitação do túnel bilionário (e das 4 mil moradias), os 50 vereadores não querem a instalação de CPI para investigar a Operação Urbana, pois:
– alguns têm rabo preso com a construção da Ponte Estaiada (custou R$ 360 milhões);
– alguns têm rabo preso com a aprovação do Túnel de R$ 3 bilhões (mudança na lei em 2011);
– alguns têm rabo preso com o prefeito denunciado por receber 21 milhões em propinas;
– alguns têm rabo preso com a associação imobiliária que ilegalmente fez doações em 2008;
– alguns têm rabo preso com o governador, e não querem investigar a verba dada o Metrô (R$ 390 mi);
– e alguns vereadores votam qualquer coisa, desde que aprovem seus projetos de títulos e honrarias…

Mais uma vez a Câmara Municipal de São Paulo virou as costas para a população paulistana. Embora o voto tenha sido contra o Jabaquara, a conta maior vai para todos os paulistanos, pois a venda de títulos (CEPACs) não é suficiente para pagar as obras de infraestrutura e nem as propinas inerentes a estes tipos de contratos, que não são fiscalizados pela Câmara. Então, só nos resta recorrer ao Judiciário.

São Paulo, 23 de agosto de 2018.
Mauro Alves da Silva – jornalista e Presidente do Grêmio SER Sudeste.
Cel.: 11-954544193 – e-mail: mauro_gremio@hotmail.comhttp://www.gremiosudeste.wordpress.com

Milton Leite defende a instalação da CPI da Operação Urbana Água Espraiada

Grêmio SER Sudeste – Promoção da Cidadania e Defesa do Consumidor

http://www.gremiosudeste.wordpress.com

 

Milton Leite defende a instalação da CPI da Operação Urbana Água Espraiada

 

Na audiência pública realizada em 19/08/2018, o presidente da Câmara Municipal de São Paulo, vereador Milton Leite, defendeu a imediata instalação da CPI para investigar a aplicação dos recursos da Operação Urbana Água Espraiada. Milton Leite lembrou que foi ele que sugeriu ao então vereador Eduardo Tuma que apresentasse, em 2016, a proposta de criação da CPI.

 

Na audiência pública, o representante da Secretaria Municipal de Urbanismo deu destaque especial ao novo projeto urbanístico da região da Chucri Zaidan, ignorando completamente a questão das moradias na região de Americanópolis (cerca de 20 mil famílias). O PL 722-2015 não vai mais cadastrar as famílias carentes da região; e só reserva dinheiro para a construção de 4 mil moradias, embora o cadastro (2009) tenha 8.500 famílias.

 

Mauro Alves da Silva, do Grêmio SER Sudeste e da AMOJAB (Associação de Moradores, Proprietários e Comerciantes do Jabaquara e Água Espraiada) denunciou a omissão em relação às mudanças proposta no artigo 12 da Lei 13260/2001. Querem acabar com o direito dos moradores afetados pelas obras continuarem morando no Jabaquara. Até mesmo os inquilinos vão perder o direito de serem inscritos em programas de moradia. Mauro pediu um CPI e fez a seguintes denuncias:

1) é mentira que querem mais verbas para construir moradia, pois sempre existiu verbas. O que acontece é que priorizam obras viárias (túneis, pontes e viadutos) e a especulação imobiliária.

2) A ponte estaiada (na Berrini) era para custar R$ 70 milhões. Custou R$ 360 milhões;

3) Em 2001, o túnel inicial era de 400 metros. Em 2011, inventaram um túnel de 2,4 km a R$ 3 bilhões;

4) Desapropriaram mais de 50 terrenos para moradia, mas os terrenos estão abandonados;

5) Houve desapropriações milionárias. No caso da Tupi, só a retirada do entulho custou R$ 16 milhões;

6) Para quem acha muito o gasto de R$ 30 milhões com o “auxilio aluguel” neste últimos 17 anos, é bom que saibam que pagaram R$ 200 milhões só para o “planejamento e gerenciamento das obras”;

7) As reuniões do Conselho de Gestão da Operação Urbana são fechadas ao público. Só participa quem for convidado; e proíbem fazer fotos ou gravações das reuniões.

8) Retirar o incentivo de construção do Jabaquara e transferir os CEPACs para a região de Pinheiros (Chucri Zaidan) é abandonar o Jabaquara e Americanópolis; e favorecer a especulação imobiliária.

 

Mauro também citou as delações premiadas da Odebrecht, empresa que confessou ao Ministério Público de SP que fraudou as licitações das obras do túnel e pagou 21 milhões de propinas para o prefeito. A notícia foi publicada em 19/06/2018 (Jornal Folha de S. Paulo). Mas os vereadores, ao invés de instalarem a CPI, votaram o PL 722-2015 em 20/06 (primeira votação); e estão com uma pressa inconfessável para votar definitivamente o Projeto sem que haja audiências públicas e investigações.

 

José Luiz Nodar Ribeiro, diretor da Associação Comercial de São Paulo – Distrital Centro Sul, lembrou que a lei da Operação Urbana Água Espraiada foi criada com o objetivo de prolongar Av. Águas Espraiadas até a Rodovia dos Imigrantes; e urbanizar as favelas da região do Jabaquara e Americanópolis. Antes de gastar o dinheiro em outras obras, a Prefeitura deve terminar as obras no Jabaquara e a construção das moradias na região.

 

Moradora de Santo Amaro denunciou a especulação imobiliária. Disse que querem desapropriar moradores, enquanto preservam áreas com grandes terrenos desocupados. Lembrou também que foi confessado o pagamento de propinas para as obras de prolongamento da Chucri Zaidan.

https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/05/paulo-preto-e-suspeito-de-receber-r-173-mi-de-propina-em-obras-da-prefeitura-de-sp.shtml

 

As denúncias mais graves partiram do Presidente da Câmara Municipal, vereador Milton Leite:

1) Já mudaram o texto do PL 722-2015 várias vezes sem que houvesse o debate público;

2) As obras na Chucri Zaidan favorecem apenas os proprietários de 8 grandes imóveis na região;

3) Um dos proprietários beneficiados será a Rede Globo;

4) Não existe nenhuma contrapartida destes grandes proprietários. É a prefeitura que vai bancar os Custos das obras de infraestrutura para a adequação ao alargamento das ruas;

5) Tem de instalar a CPI para investigar as desapropriações. Ver se foram regulares.

 

Nossas propostas: 1) que preservem o artigo 15 original da Lei 13260/201; 2) que estabeleçam a prioridade de finalização das obras de moradia no Jabaquara (com metas de 2 mil moradias por ano); 3) exijam que o Metrô cumpra a contrapartida e finalize o Monotrilho até a Estação Saboya); 4) mantenham o incentivo de investimentos no Jabaquara (500 mil metros quadrados via CEPACs); 5) Que incluam no Conselho de Gestão uma cadeira para os proprietários (AMOJAB) e outra para os comerciantes (indicação para a Associação comercial – Centro Sul).

 

São Paulo, 19 de agosto de 2018.

Mauro Alves da Silva – jornalista e Presidente do Grêmio SER Sudeste.

Cel.: 11-954544193 – e-mail: mauro_gremio@hotmail.comhttp://www.gremiosudeste.wordpress.com

Vereadores de SP querem mais R$ 4 bilhões para o shopping da propina.


Vereadores de SP querem mais R$ 4 bilhões para o shopping da propina.

A Câmara Municipal de São Paulo vai votar o Projeto de Lei PL 722-2015 nesta quarta feira. Este projeto permite a prefeitura arrecadar mais R$ 4 bilhões para construir o túnel bilionário, que foi licitado em um processo fraudulento e já confessado pela construtora Odebrecht em delação premiada no Ministério Público de SP.

Vale lembrar que a lei original (13.260/2001) previa um túnel de 400 metros na Vila Fachini, ligando o prolongamento da Avenida Água Espraiada até a Rodovia dos Imigrantes. Mas, de forma surpreendente e suspeita, em 2011 os vereadores aprovaram um novo túnel, agora com 2,4 quilômetros, a um custo estimado de R$ 3 bilhões.

Em 2013, o então prefeito Fernando Haddad suspendeu as obras do túnel bilionário; e chamou a Operação Urbana Água Espraiada de “shopping da propina”.

Em 19 de junho de 2018, a Folha de São Paulo noticiou o acordo de delação premiada feito pela empresa Odebrecht:
– Odebrecht vai pagar R$ 7 milhões por participar de fraudes em obras de SP
– Acordo favorece Odebrecht ao permitir retomar túnel em SP

Destaques:
a) A empreiteira reconheceu ter corrompido políticos e funcionários públicos para obter contratos no setor público e concordou em pagar multa de R$ 3,8 bilhões em troca de benefícios como alívio nas penas na esfera criminal.
b) No caso do túnel de São Paulo, a Odebrecht afirmou que as empreiteiras contratadas para a obra foram selecionadas de forma ilegal, com a divisão dos lotes do projeto entre oito participantes de um cartel organizado pelo engenheiro Paulo Vieira de Souza.
c) Segundo ex-executivos da Odebrecht que se tornaram delatores, Souza acertou com as empresas que elas pagariam propina equivalente a 5% do valor de seus contratos durante a execução das obras.
d) Os promotores acusam Kassab de enriquecimento ilícito por causa de contribuições no valor de R$ 21 milhões que a Odebrecht diz ter feito a suas campanhas e ao PSD de forma ilegal, com dinheiro de caixa dois e sem registro formal.
(Jornal Folha de São Paulo, reportagens em anexos).

Agora, na primeira sessão da Câmara Municipal de São Paulo, em 1º de agosto de 2018, o vereadores marcaram ilegalmente uma sessão extraordinária para votar o PL 722-2015 (shopping da propina) e arrecadar mais R$ 4 bilhões para o túnel bilionário e continuidade ao shopping da propina.

Pior que isso só mesmo o fato do PL 722-2015 não garantir a moradia das 8,5 mil famílias cadastradas e impedir novos cadastros de moradores das favelas da região de Americanópolis (cerca de 20 mil famílias carentes). Também retirarem o direto dos proprietários e inquilinos continuarem morando na região quando as obras desapropriarem os seus imóveis.

Esperamos que existam vereadores que não compactuem com o shopping da propina e também não tenham rabo preso com os compromissos escusos assumidos em 2011 por outros políticos.

O Grêmio SER Sudeste – Promoção da Cidadania e Defesa do Consumidor está tomando as providências legais administrativas e judiciais para impedir mais uma fraude contra o dinheiro público e contra o direito de moradia para todos os afetados pelas obras da Operação Urbana Água Espraiada.

São Paulo, 1º de agosto de 2018.
Mauro Alves da Silva – jornalista e Presidente do Grêmio SER Sudeste.
Cel.: 11-954544193 – e-mail: mauro_gremio@hotmailcom – http://www.gremiosudeste.wordpress.com

P.S.: Considerando que não conseguiram o número mínimo de 38 vereadores para votar o “PL 722-2015 – o shopping da propina” em 01-08-2018, chamaram uma nova e ilegal sessão extraordinária para 08-08-2018. Os vereadores continuam burlando a Lei Orgânica ao não votarem os 817 vetos que trancam a sua pauta
.

doc01082018p93

Acordo favorece Odebrecht ao permitir retomar túnel em SP – 20_06_2018 – Cotidiano – Folha

Odebrecht vai pagar R$ 7 milhões por participar de fraudes em obras de SP – 19_06_2018 – Cotidiano – Folha

Tem um “elefante rosa” escondido no PL 367/2017.


O PL 367/2017 não tem nada a ver com as “concessões” e nem com as privatizações anunciadas pelo prefeito paulistano João Dória…
O PL 367/2017 trata da criação de um fundo especulativo, lançar títulos no mercado, arrecadar dinheiro a juros de mercado, antecipar receitas, gastar à vontade, e deixar a conta para as gestões futuras.

As palavras e promessas dos secretários não valem um tostão furado… o que dizem não está escrito em nenhuma parte do PL 367/2017… No caso das privatizações dos parques nada garante que não haverá “fechamento de parques com grades”… poderá haver cobranças de ingressos… não há garantias de respeito ambiental… e poderá haver expulsão dos atuais permissionários… tudo em nome dos interesses dos especuladores privados.
Vale lembrar que o antigo secretário do verde e do meio ambiente, vereador Gilberto Natalini, fez uma série de promessas em audiência pública… e foi demitido uma semana depois…
A atuação do vereador José Police Neto é quixotesca: pretende que não haja interesse especulativo na gestão dos parques e que os ganhos sejam revertidos para as pro´rias áreas verdes da cidade… Mas o prefeito já informou que os ganhos serão destinados a projetos de outras secretarias: saúde e educação por exemplos.

Para ilustrar a farsa das privatizações paulistanas, citamos o exemplo da cidade de Nova York e o caso do Central Park:
– A gestão privada do Central Park somente arrecada US$ 2 milhões dos mais de US$ 30 milhões de dólares gastos anualmente;
– 70% do orçamento vem de doações… e contam com milhares de voluntários prestando serviços gratuitos ao longo do ano;
– ainda assim a prefeitura destina entre US$ 5 e 6 milhões de dólares anuais para manutenção do Central Park.

Curiosidade:
O departamento mantém mais de 1.700 parques, playgrounds e instalações recreativas nos cinco bairros. É responsável por mais de 1.000 parques infantis, 800 campos de jogos, 550 quadras de tênis, 35 grandes centros recreativos, 66 piscinas, 23 km de praias e 13 campos de golfe, além de sete centros naturais, seis pistas de gelo, mais de 2000 greenstreets e quatro estádios principais. Parques também cuida da flora e fauna do parque, jardins comunitários, 23 casas históricas, mais de 1.200 estátuas e monumentos e mais de 2,5 milhões de árvores.

Estas informações podem ser pesquisadas no Google e na wikipédia. Quem desejar a fonte original dos dados pode pesquisar no site da Prefeitura de Nova York (http://www1.nyc.gov/) ou no Departamento de Parques e Recreação (https://www.nycgovparks.org/).

divulgação:
http://www.gremiosudeste.wordpress.com

PL 367-2017 cria fundos bilionários sem fiscalização.

Boletim Grêmio SER Sudeste de 22-08-2017 – www.gremiosudeste.wordpress.com

Considerações sobre “os Fundos” no PL 367-2017 e “o Fundo” na Lei Municipal 16651-2017

1) Mais uma vez os diretores da Secretaria Especial das Privatizações atuaram para ludibriar os vereadores e o público presente na Audiência Pública sobre o PL 367-2017.

2) Cobrados sobre os reais interesses em “criar um fundo” (artigo 4º, parágrafo 2º, PL 367-2017) para acumular ativos sobreavaliados, lançar títulos com valores fictícios (derivativos), tomar empréstimos bancários a juros de mercado (a 23% ao ano), sem controle e sem fiscalização, os representantes da Secretaria Municipal de privatizações disse que o “fundo” havia sido criado pela lei municipal 16.651-2017...

3) Vamos “desenhar” para mostrar as diferenças:

Lei Municipal 16.651 de 16 de maio de 2017 Projeto de Lei PL 367 de 7 de junho de 2017
Ementa: Cria o Conselho Municipal de Desestatização e Parcerias e o Fundo Municipal de Desenvolvimento. Ementa: “Disciplina as concessões e permissões de serviços, obras e bens públicos que serão realizadas no âmbito do Plano Municipal de Desestatização – PMD; introduz alterações na Lei n° 16.211, de 27 / maio / 2015.
Capítulo II – DO FUNDO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO – FMD

Art. 5º Fica criado o Fundo Municipal de Desenvolvimento – FMD, de natureza contábil, vinculado à Secretaria Municipal da Fazenda, cujo objetivo principal é o financiamento e expansão contínuos das ações destinadas a promover o desenvolvimento do Município de São Paulo.

Art. 6º Os recursos do FMD serão destinados pelo CMDP para investimentos nas áreas de saúde, educação, segurança, habitação, trans-porte, mobilidade urbana e assistência social.

Art. 7º O FMD será constituído por recursos e receitas provenientes de:

I – desestatização de bens e serviços;

II – alienação das participações societárias;

III – dotações orçamentárias e créditos adicionais suplementares a ele destinados;

IV – contribuições ou doações de pessoas físicas ou jurídicas ou ainda entidades internacionais;

V – rendimentos obtidos com a aplicação do seu próprio patrimônio, bem como retornos e resultados de suas aplicações;

VI – multas, correção monetária e juros recebidos em decorrência de suas aplicações;

VII – outras receitas eventuais.

§ 1º Poderão igualmente ser vinculados ao FMD os direitos, bens e serviços a serem objeto de desestatização.

§ 2º As receitas previstas nos incisos I, VI e VII do “caput” deste artigo não abrangem aquelas que se encontrem vinculadas a outros órgãos, fundos ou despesas por lei anterior.

Art. 4° As desestatizações sujeitas ao regime desta lei poderão ser executadas nas seguintes modalidades:

I – alienação, arrendamento, locação, permuta e cessão de bens, direitos e instalações, bem como concessão administrativa de uso, concessão de direito real de uso resolúvel e direito de superfície;

II – concessão, permissão, parceria público-privada, cooperação, gestão de atividades, bens ou serviços, bem como outras parcerias e formas associativas, societárias ou contratuais.

§ 1° Poderá o Executivo celebrar parcerias contratuais, societárias ou associativas com terceiros, regidas, predominantemente, pelo direito privado.

§ 2° As parcerias referidas no § 1° deste artigo incluem a contratação de financiamentos, realização de operações nos mercados financeiros e de capitais, constituição de fundos de investimento, celebração de contratos envolvendo derivativos, gravação com ônus real de bens, bem como quaisquer outras oportunidades de negócio estratégicas.

(…)

Art. 8° Fica autorizada a criação de fundos de natureza contábil, conta vinculada de movimentação restrita ou outros instrumentos financeiros com a finalidade de prestar garantias de pagamento das obrigações pecuniárias assumidas pela Administração em virtude das parcerias de que trata esta lei.

§ 1° A conta vinculada de que trata o “caput” deste artigo será aberta em instituição financeira oficial, a ser contratada na qualidade de agente depositário, podendo ser movimentada e gerida pela própria instituição financeira ou por agente fiduciário, na qualidade de agente operador.

No caso da Lei Municipal 16.651/2017, o prefeito em exercício vetou justamente o artigo que obrigava a prefeitura a consultar a Câmara Municipal quando fosse vender (alienar) bens públicos:

“Art. 2º Compete ao Conselho Municipal de Desestatização e Parcerias – CMDP, observado o disposto nos arts. 13 e 112 da Lei Orgânica do Município:”. (“Art. 13 Cabe à Câmara, com sanção do Prefeito, (…) X – autorizar a alienação de bens imóveis municipais, exceptuando-se as hipóteses previstas nesta Lei Orgânica”).

E também vetou o parágrafo 5º do artigo 2º, o qual proibia privatizar (vender) as escolas municiais:

“§ 5º As Unidades Educacionais da Rede Municipal de Educação, e as que venham a ser criadas, excetuam-se enquanto objetos das competências citadas no inciso II”.

S. Paulo, 22/08/2017. Mauro Alves da Silva – Presidente do Grêmio SER Sudeste. Cel.: 954544193 (Tim/Zap)

Lei Orgânica do Município de São Paulo – Artigos vetados na Lei Municipal 16.651 de 16 de maio de 2017.

Art. 13 – Cabe à Câmara, com sanção do Prefeito, não exigida esta para o especificado no artigo 14, dispor sobre as matérias de competência do Município, especialmente:

(Alterado pela Emenda 05/91)

(…)

IV – votar o plano plurianual, as diretrizes orçamentárias e o orçamento anual, bem como autorizar a abertura de créditos suplementares e especiais;

V – deliberar sobre obtenção e concessão de empréstimos e operações de crédito, bem como sobre a forma e os meios de pagamento;

VI – autorizar a concessão de auxílios e subvenções;

VII – autorizar a concessão de serviços públicos;

VIII – autorizar a concessão do direito real de uso de bens municipais;

IX – autorizar a concessão administrativa de uso de bens municipais;

X – autorizar a alienação de bens imóveis municipais, exceptuando-se as hipóteses previstas nesta Lei Orgânica;

(Alterado pela Emenda 26/05)

(…)

XV – dispor sobre convênios com entidades públicas, particulares e autorizar consórcios com outros municípios;

(…)

Art. 112 – A alienação de bens municipais, subordinada à existência de interesse público devidamente justificado, será sempre precedida de avaliação e obedecerá às seguintes normas:

§ 1º – A venda de bens imóveis dependerá sempre de avaliação prévia, de autorização legislativa e de licitação, na modalidade de concorrência, salvo nos seguintes casos:

I – Fica dispensada de autorização legislativa e de licitação:

a) a alienação, concessão de direito real de uso e cessão de posse, prevista no §3º do art. 26 da Lei Federal nº

6.766/79, introduzido pela Lei Federal nº 9.785/99, de imóveis construídos e destinados ou efetivamente utilizados no âmbito de programas habitacionais de interesse social desenvolvidos por órgãos ou entidades da Administração Pública criados especificamente para esse fim;

b) venda ao proprietário do único imóvel lindeiro de área remanescente ou resultante de obra pública, área esta que se tornar inaproveitável isoladamente, por preço nunca inferior ao da avaliação.

II – Independem de licitação os casos de:

a)venda, permitida exclusivamente para outro órgão ou entidade da Administração Pública de qualquer esfera de governo;

b)dação em pagamento;

c)doação, desde que devidamente justificado o interesse público, permitida para outro órgão ou entidade da

Administração Pública, de qualquer esfera de governo ou para entidades de fins sociais e filantrópicos, vinculada a fins de interesse social ou habitacional, devendo, em todos os casos, constar da escritura de doação os encargos do donatário, o prazo para seu cumprimento e cláusula de reversão e indenização;

d)permuta por outro imóvel a ser destinado ao atendimento das finalidades precípuas da administração, cujas necessidades de instalação e localização condicionem a sua escolha, desde que o preço seja compatível com o valor de mercado, segundo avaliação prévia.

§ 2º – A alienação de bens móveis dependerá de avaliação prévia e de licitação, dispensada esta nos seguintes casos:

I – doação, permitida exclusivamente para fins e uso de interesse social, após avaliação de sua oportunidade e

conveniência socioeconômica, relativamente à escolha de outra forma de alienação;

II – venda de ações em bolsa, observada a legislação específica e após autorização legislativa;

III – permuta;

IV – venda de títulos, na forma da legislação pertinente e condicionada à autorização legislativa;

V – venda de bens produzidos ou comercializados por órgãos ou entidades da Administração, em virtude de suas finalidades.

§ 3º – O Município, preferentemente à venda ou doação de seus bens imóveis, outorgará concessão de direito real de uso, mediante prévia autorização legislativa e concorrência.

§ 4º – A concorrência a que se refere o parágrafo anterior poderá ser dispensada por lei, quando o uso se destinar à concessionária de serviço público ou quando houver relevante interesse público e social, devidamente justificado;

§ 5º – Na hipótese prevista no § 1º, inciso I, letra “b” deste artigo, a venda dependerá de licitação se existir mais de um imóvel lindeiro com proprietários diversos.

(Alterado pela Emenda 26/05)

***

S. Paulo, 22/08/2017. Mauro Alves da Silva – Presidente do Grêmio SER Sudeste. Cel.: 954544193 (Tim/Zap)

%d blogueiros gostam disto: