Rede Globo não respeita a privacidade das crianças de famílias pobres. Não aprenderam nada. Não esqueceram nada.

Mais uma vez a Rede Globo mostra o seu total desprezo pelas pobres crianças das escolas públicas.
Sua afiliada denunciou um caso de estupro (sic) contra uma menina (11 anos) dentro de uma escola pública estadual de São Paulo. A violência teria sido praticada por outros três adolescentes (12 a 14 anos) dentro da sala de aula da escola estadual EE Professor Orlando Perez, em São Carlos (SP), no bairro Cidade Aracy, o bairro mais pobre desta cidade. A reportagem fez questão de filmar e de dizer o nome da escola e até mesmo entrevistar a menina vítima dos abusos (“Só foi uma passada de mão, hoje foi só isso. Se eu não corro atrás, amanhã ou depois pode ser coisa pior”, disse a mãe da menina abusada). Veja aqui a reportagem da EPTV: “’Eu não queria isso’, diz menina estuprada dentro de sala de aula”, publicada no Portal G1, da Rede Globo.

Toda a nossa solidariedade à aluna vitimada e aos seus familiares.

Mas não podemos deixar de notar que a Rede Globo tem dois pesos e duas medidas conforme a classe social dos envolvidos.
No caso de Florianópolis (SC), em 2010, a Rede Globo, através da sua afiliada RBS, disse que não divulgava o caso do estupro praticado por 2 adolescentes (14 anos) em respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente… Naquele caso, um adolescente era filho de um delegado de polícia e o outro era filho de um diretor da RBS… nem mesmo o nome do colégio particular foi citado nas 2 únicas reportagens feitas 40 dias após o caso ser amplamente denunciado na internet e posteriormente denunciado na Rede Record de Televisão, concorrente direta da Rede Globo de Televisão.

Então ficamos assim: se dois adolescentes de classe média alta contarem vantagem de terem praticado um estupro, estes adolescentes terão suas identidades preservadas, sua escola terá nome mantido em sigilo; e serão tratados apenas como suspeitos de praticar ato infracional…
Mas se os acusados forem de famílias pobres, e estudantes de escola pública, terão sua escola divulgada no Brasil inteiro e no mundo… serão acusados de estupradores nas manchetes… serão suspensos ou expulsos da escola… serão encaminhados para a febem… e nem mesmo a vítima será preservada, pois ela será compelia a expor o seu drama sem que se apresente as mínimas providências para o acompanhamento psicossocial para que ela possas superar esta tragédia pessoal.

São Paulo, 10 de maio de 2012.
Mauro Alves da Silva
Presidente do Grêmio SER Sudeste – Promoção da Cidadania e Defesa do Consumidor.
https://gremiosudeste.wordpress.com/

Anúncios

TV Cultura chama de “erros” os crimes da ditadura militar


No telejornal da TV Cultura, de 19 de abril de 2012, a apresentadora Maria Cristina Poli falou nos “erros da repressão”, referindo-se aos casos do deputado Rubens Paiva e Vladimir Herzog…
Então ficamos assim: os crimes da ditadura militar (prisão ilegal, tortura, assassinato e desaparecimento de presos) são “erros” da repressão segundo o jornalismo a tv pública paulista chapa-branca.

Assista ao vídeo na íntegra neste endereço:

Detalhe curioso: o vídeo do dia 19 de abril só foi publicado no dia 24 de abril; e ainda assim não está listado (Não adianta pesquisar no Google e nem no Youtube, pois só é possível assisti-lo quem tem o link deste vídeo).

São Paulo, 29 de abril de 2012.
Mauro Alves da Silva
Presidente do Grêmio SER Sudeste – Promoção da Cidadania e Defesa do Consumidor.
https://gremiosudeste.wordpress.com/

Da Série “Paguei Prá Ver, Mas Não Estuprei”. #boicote_avon #boycott_avon #boicoteBBB12

Já imaginaram um empresa “Dedicada à mulher” financiando a baixaria do BBB12,que ofende a dignidade humana e principalmente a dignidade das mulheres?
Pois bem. Isso acontece com a Avon, multinacional de 125 anos, atuando no mercado de perfumes e “beleza”, voltada para as mulheres, com 6,5 milhões de revendedoras “interagindo com as famílias, levando beleza e relacionamentos”… imaginem qual é o principal tema das conversas das revendedoras Avon com as brasileiras e seus familiares neste começo de ano no Brasil… Será que conversam sobre o p0ssível estupro acontecido no Big Brother Brasil (BBB12, programa de baixarias da TV Globo)?

As redes sociais acusaram a Avon de estar patrocinando a baixaria do BBB12…
A Avon divulgou a seguinte nota:
“COMUNICADO. Diferentemente do que foi veiculado em alguns sites e posts na rede social, a Avon não é patrocinadora do programa Big Brother Brasil, exibido pela Rede Globo. A empresa apenas veicula comerciais de seus produtos nos intervalos da programação da emissora, o que faz com que os anúncios relacionados aos produtos Avon sejam vistos em várias oportunidades ao longo do dia. São Paulo, 17 de Janeiro de 2012. (da Avon, via CDN)”.
Quer dizer que pagar anúncios nos intervalos do BBB12 não é patrocinar a baixaria? não é financiar um programa que ofende a dignidade da mulher?
Parece que a empresa Avon considera os brasileiros e as brasileiras como trouxas, pois o seu comunicado pode ser entendido da seguinte maneira:
– Paguei prá ser vista ao lado da baixaria do BBB12, mas não estuprei.

Destaque:
Depois deste “brilhante comunicado”, a Avon voltou a “pagar para ser vista” nos intervalos da baixaria BBB12 de 22-01-2012…
E pensar que a Avon mantém um instituto que apresenta o vídeo “Fale sem Medo – Seminário Não Violência Doméstica – Cenário Biológico”.
***
E quem está vendo a baixaria do BBB12, votando por telefone, ou comprando os produtos ou serviços anunciados, parece que está dizendo:
– Paguei Prá Ver, Mas Não Estuprei.
Quem não quer financiar as baixarias do BBB12 boicota os produtos e serviços que estão financiando a baixaria do BBB12.
#boicote_guaranaantarctica
#boicote_fiat
#boicote_omo
#boicote_niely
#boicote_avon
#boicote_itau
#boicote_unip
#boicote_chevrolet
#boicote_santander
#boicote_MagazineLuiza
#boicote_tim
#boicote_Spoleto
#boicote_Pepsi
#boicote_FraldasPampers

São Paulo, 25 de janeiro de 2012.
Mauro Alves da Silva
http://blogdomaurosilva.wordpress.com/

%d blogueiros gostam disto: