50 tons de cinza dos vereadores que votam contra o Jabaquara.


Grêmio SER Sudeste – Promoção da Cidadania e Defesa do Consumidor
http://www.gremiosudeste.wordpress.com

50 tons de cinza dos vereadores que votam contra o Jabaquara.

O PL 722-2015 transfere investimentos do Jabaquara para a região da Berrini, Pinheiros e Chucri Zaidan. Mais R$ 4 bilhões sem investigar onde torraram os outros R$ 4 bilhões…

Em uma ilegal sessão extraordinária da Câmara Municipal de São Paulo, 50 vereadores aprovaram o PL 722-2015. O PL atende aos interesses inconfessáveis das grandes construtoras e da especulação imobiliária (conforme palavras do presidente Milton Leite).

Embora estejam noticiando que o PL 722-2015 (com modificações) é para arrecadar dinheiro para a construção de moradias populares, a própria apresentação do PL já confessa que o objetivo é a especulação imobiliária:
“Aprova o Plano Urbanístico Complementar do Setor Chucri Zaidan da Operação Urbana Consorciada Água Espraiada, nos Distritos de Santo Amaro e Itaim Bibi”.

Especulação imobiliária
A especulação imobiliária ficou evidente no dispositivo referente aos CEPACs (Certificados de Potencial Adicional de Construção): transferiram 250 mil metros quadrados do Jabaquara para a região da Berrini, Pinheiros e Chucri Zaidan. E não digam que essa transferência é “impessoal”, pois o representante da Secretaria Municipal de Urbanismo disse que já foi procurado por investidores; e que não existe interesse em investir no Jabaquara (ata da audiência pública de 19-08-2018)…
Não será surpresa se já houver planos para a construção de um shopping center na região…

A enganação com as moradias sociais.
É evidente que estão utilizando a legitima mobilização dos movimentos populares para, na verdade, levantar recursos bilionários para atender às construtoras e à especulação imobiliária.
Embora o projeto de lei 722-2015 determine que se gaste 30% dos valores arrecadados com moradia popular, o prazo é de até 5 anos… e não tem metas anuais… e não tem quem fiscalize…
E não informa que foram contratadas somente 4 mil moradias (em licitação fraudada);
E não diz nada sobre as outras 8.500 famílias já cadastradas;
E ignora 20 mil famílias carentes na região de Americanópolis, Jd, Lourdes e Vila Clara;
E acaba com o direito dos inquilinos também serem inscritos em programas habitacionais;
E acaba com o direito dos moradores atingidos pelas obras continuarem morando no Jabaquara…

50 tons de cinza dos vereadores paulistanos
É óbvio que os 50 vereadores votam contra o Jabaquara por interesses diversos. Mas o que os une é o fato de nenhum deles representar o Jabaquara. Aliás, faz mais de 30 anos que o Jabaquara não elege um seu represente para a Câmara Municipal, embora tenha 240 mil moradores, sendo 180 mil eleitores registrados. Estes 50 vereadores só vem ao Jabaquara de 4 em 4 anos para beliscar alguns votos…
Mesmo com a construtora Odebrecht confessando a fraude na licitação do túnel bilionário (e das 4 mil moradias), os 50 vereadores não querem a instalação de CPI para investigar a Operação Urbana, pois:
– alguns têm rabo preso com a construção da Ponte Estaiada (custou R$ 360 milhões);
– alguns têm rabo preso com a aprovação do Túnel de R$ 3 bilhões (mudança na lei em 2011);
– alguns têm rabo preso com o prefeito denunciado por receber 21 milhões em propinas;
– alguns têm rabo preso com a associação imobiliária que ilegalmente fez doações em 2008;
– alguns têm rabo preso com o governador, e não querem investigar a verba dada o Metrô (R$ 390 mi);
– e alguns vereadores votam qualquer coisa, desde que aprovem seus projetos de títulos e honrarias…

Mais uma vez a Câmara Municipal de São Paulo virou as costas para a população paulistana. Embora o voto tenha sido contra o Jabaquara, a conta maior vai para todos os paulistanos, pois a venda de títulos (CEPACs) não é suficiente para pagar as obras de infraestrutura e nem as propinas inerentes a estes tipos de contratos, que não são fiscalizados pela Câmara. Então, só nos resta recorrer ao Judiciário.

São Paulo, 23 de agosto de 2018.
Mauro Alves da Silva – jornalista e Presidente do Grêmio SER Sudeste.
Cel.: 11-954544193 – e-mail: mauro_gremio@hotmail.comhttp://www.gremiosudeste.wordpress.com

Milton Leite defende a instalação da CPI da Operação Urbana Água Espraiada

Grêmio SER Sudeste – Promoção da Cidadania e Defesa do Consumidor

http://www.gremiosudeste.wordpress.com

 

Milton Leite defende a instalação da CPI da Operação Urbana Água Espraiada

 

Na audiência pública realizada em 19/08/2018, o presidente da Câmara Municipal de São Paulo, vereador Milton Leite, defendeu a imediata instalação da CPI para investigar a aplicação dos recursos da Operação Urbana Água Espraiada. Milton Leite lembrou que foi ele que sugeriu ao então vereador Eduardo Tuma que apresentasse, em 2016, a proposta de criação da CPI.

 

Na audiência pública, o representante da Secretaria Municipal de Urbanismo deu destaque especial ao novo projeto urbanístico da região da Chucri Zaidan, ignorando completamente a questão das moradias na região de Americanópolis (cerca de 20 mil famílias). O PL 722-2015 não vai mais cadastrar as famílias carentes da região; e só reserva dinheiro para a construção de 4 mil moradias, embora o cadastro (2009) tenha 8.500 famílias.

 

Mauro Alves da Silva, do Grêmio SER Sudeste e da AMOJAB (Associação de Moradores, Proprietários e Comerciantes do Jabaquara e Água Espraiada) denunciou a omissão em relação às mudanças proposta no artigo 12 da Lei 13260/2001. Querem acabar com o direito dos moradores afetados pelas obras continuarem morando no Jabaquara. Até mesmo os inquilinos vão perder o direito de serem inscritos em programas de moradia. Mauro pediu um CPI e fez a seguintes denuncias:

1) é mentira que querem mais verbas para construir moradia, pois sempre existiu verbas. O que acontece é que priorizam obras viárias (túneis, pontes e viadutos) e a especulação imobiliária.

2) A ponte estaiada (na Berrini) era para custar R$ 70 milhões. Custou R$ 360 milhões;

3) Em 2001, o túnel inicial era de 400 metros. Em 2011, inventaram um túnel de 2,4 km a R$ 3 bilhões;

4) Desapropriaram mais de 50 terrenos para moradia, mas os terrenos estão abandonados;

5) Houve desapropriações milionárias. No caso da Tupi, só a retirada do entulho custou R$ 16 milhões;

6) Para quem acha muito o gasto de R$ 30 milhões com o “auxilio aluguel” neste últimos 17 anos, é bom que saibam que pagaram R$ 200 milhões só para o “planejamento e gerenciamento das obras”;

7) As reuniões do Conselho de Gestão da Operação Urbana são fechadas ao público. Só participa quem for convidado; e proíbem fazer fotos ou gravações das reuniões.

8) Retirar o incentivo de construção do Jabaquara e transferir os CEPACs para a região de Pinheiros (Chucri Zaidan) é abandonar o Jabaquara e Americanópolis; e favorecer a especulação imobiliária.

 

Mauro também citou as delações premiadas da Odebrecht, empresa que confessou ao Ministério Público de SP que fraudou as licitações das obras do túnel e pagou 21 milhões de propinas para o prefeito. A notícia foi publicada em 19/06/2018 (Jornal Folha de S. Paulo). Mas os vereadores, ao invés de instalarem a CPI, votaram o PL 722-2015 em 20/06 (primeira votação); e estão com uma pressa inconfessável para votar definitivamente o Projeto sem que haja audiências públicas e investigações.

 

José Luiz Nodar Ribeiro, diretor da Associação Comercial de São Paulo – Distrital Centro Sul, lembrou que a lei da Operação Urbana Água Espraiada foi criada com o objetivo de prolongar Av. Águas Espraiadas até a Rodovia dos Imigrantes; e urbanizar as favelas da região do Jabaquara e Americanópolis. Antes de gastar o dinheiro em outras obras, a Prefeitura deve terminar as obras no Jabaquara e a construção das moradias na região.

 

Moradora de Santo Amaro denunciou a especulação imobiliária. Disse que querem desapropriar moradores, enquanto preservam áreas com grandes terrenos desocupados. Lembrou também que foi confessado o pagamento de propinas para as obras de prolongamento da Chucri Zaidan.

https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/05/paulo-preto-e-suspeito-de-receber-r-173-mi-de-propina-em-obras-da-prefeitura-de-sp.shtml

 

As denúncias mais graves partiram do Presidente da Câmara Municipal, vereador Milton Leite:

1) Já mudaram o texto do PL 722-2015 várias vezes sem que houvesse o debate público;

2) As obras na Chucri Zaidan favorecem apenas os proprietários de 8 grandes imóveis na região;

3) Um dos proprietários beneficiados será a Rede Globo;

4) Não existe nenhuma contrapartida destes grandes proprietários. É a prefeitura que vai bancar os Custos das obras de infraestrutura para a adequação ao alargamento das ruas;

5) Tem de instalar a CPI para investigar as desapropriações. Ver se foram regulares.

 

Nossas propostas: 1) que preservem o artigo 15 original da Lei 13260/201; 2) que estabeleçam a prioridade de finalização das obras de moradia no Jabaquara (com metas de 2 mil moradias por ano); 3) exijam que o Metrô cumpra a contrapartida e finalize o Monotrilho até a Estação Saboya); 4) mantenham o incentivo de investimentos no Jabaquara (500 mil metros quadrados via CEPACs); 5) Que incluam no Conselho de Gestão uma cadeira para os proprietários (AMOJAB) e outra para os comerciantes (indicação para a Associação comercial – Centro Sul).

 

São Paulo, 19 de agosto de 2018.

Mauro Alves da Silva – jornalista e Presidente do Grêmio SER Sudeste.

Cel.: 11-954544193 – e-mail: mauro_gremio@hotmail.comhttp://www.gremiosudeste.wordpress.com

CPMI da Violência contra a Mulher no Brasil vai receber relatórios das entidades paulistas até 1º de junho.


A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) sobre a Violência contra a Mulher no Brasil investiga as violências contra as mulheres e a aplicação da Lei Maria da Penha (lei federal 11.340/2006).

Em 28 de maio de 2012, a CPMI sobre a Violência a Mulher realizou, na Assembléia Legislativa de SP (Alesp), uma reunião de preparação para a Audiência Pública que será realizada no dia 29 de junho de 2012 em SP, a partir das 14h, na alesp. Nesta reunião ficou decidido que as entidades paulistas poderão enviar seus relatórios sobre “violência contra mulher” (email cpmidaviolenciacontramulher@gmail.com) até o dia 1º de junho para que sejam usados na preparação da Audiência Pública de 29 de junho de 2012.

A reunião preparatória foi realizada em conjunto com a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de SP e contou com a presença da deputada federal Keiko Ota (vice-presidente da CPMI), da deputada federal Janete Pietá, e do deputado estadual Adriano Diogo, presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alesp.

Várias entidades apresentaram relatórios sobre a violência contra a mulher nas diversas regiões de SP
Algumas denúncias comuns nos relatórios: falta de delegacias da mulher, falta de capacitação de funcionários, delegacias que fecham à noite e no fim-de-semana, falta de abrigos, falta de serviços públicos essenciais, falta de defensores públicos, casos de promotores e juízes que ainda resistem em aplicar a Lei Maria da Penha etc. Veja e ouça os depoimentos aqui.

O Fórum de Promotoras Legais Populares de SP não apresentou relatório escrito, pois sua presidente Ana Maria Pereira dos Santos já havia feito críticas contundentes à atuação da CPMI na reunião anterior acontecida na Câmara Municipal de São Paulo (21/05/2012), cobrando ações da CPMI no sentido de diligenciar diretamente nos órgãos públicos que estão violando os direitos das mulheres, a exemplo das delegacias que não atendem de forma satisfatória e também denunciou hospitais que estariam fazendo “curetagens” sem anestesia nas mulheres com suspeita de aborto provocado… Não ficou claro se as denúncias das Promotoras Legais Populares de SP vão ser investigadas ou se a CPMI só vai atuar a partir de relatórios escritos.

Considerando que a CPMI não abriu a palavra às pessoas que não tivessem apresentado relatório escrito, o Grêmio SER Sudeste – Promoção da Cidadania e Defesa do Consumidor (https://gremiosudeste.wordpress.com/) apresenta os questionamentos que seriam feitos “de viva voz” na respectiva reunião do dia 21/5/2012:

1) A CPMI vai investigar os meios eletrônicos de comunicação (radio e tv) em relação ao disposto no artigo8º: “III – o respeito, nos meios de comunicação social, dos valores éticos e sociais da pessoa e da família, de forma a coibir os papéis estereotipados que legitimem ou exacerbem a violência doméstica e familiar, de acordo com o estabelecido no inciso III do art. 1o, no inciso IV do art. 3o e no inciso IV do art. 221 da Constituição Federal; ? Vide dois casos exemplares de degradação da mulher promovidos pela maior rede de televisão do Brasil:
1.1.)
17/01/2012 16h39 – Atualizado em 17/01/2012 22h19
Polícia abre inquérito para apurar suspeita de estupro no BBB
Delegado ouviu os participantes Daniel e Monique.
Segundo ele, ambos negaram ter feito sexo durante o reality show.

Do G1 RJ

A Polícia Civil do Rio informou na tarde desta terça-feira (17) que abriu inquérito para apurar um suposto caso de estupro dentro da casa onde acontece o reality show “Big Brother Brasil”, da TV Globo.

O modelo paulista Daniel Echaniz, de 31 anos, é suspeito de ter cometido o crime de estupro de vulnerável contra a estudante gaúcha Monique Amin, de 23 anos, na madrugada de domingo (15).
http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2012/01/policia-abre-inquerito-para-apurar-suspeita-de-estupro-no-bbb.html

1.2.)
Zorra Total: comissão entrega carta à Globo
Comissão de Mulheres entregam carta na Globo
No dia 5 de outubro, a Secretaria de Assuntos da Mulher do Sindicato formalizou a exigência à Rede Globo para que retire o trecho de um quadro do programa Zorra Total em que ocorre abuso sexual. A iniciativa faz parte de uma campanha contra o assédio sexual contra as mulheres nos transportes públicos.
Diretoras e ativistas do Sindicato protocolaram sua exigência na sede da Rede Globo (rua Doutor Evandro Carlos de Andrade, 160, Itaim Bibi). O objetivo é retirar do quadro o trecho em que uma mulher é abusada no metrô. O que é piada no Zorra Total acontece frequentemente nos transportes públicos e precisa ser combatido, não incentivado.
http://www.metroviarios.org.br/site/index.php?option=com_content&task=view&id=857&Itemid=45

Questionamentos: a CPMI vai intimar a direção da Rede Globo para prestar informações? Vai ser feita alguma coisa para prevenir os abusos praticados nos meios de comunicação social que são concessões públicas?

2)

continua…

São Paulo, 29 de maio de 2012.
Mauro Alves da Silva
Presidente do Grêmio SER Sudeste- Promoção da Cidadania e Defesa do Consumidor
https://gremiosudeste.wordpress.com/

Rede Globo não respeita a privacidade das crianças de famílias pobres. Não aprenderam nada. Não esqueceram nada.

Mais uma vez a Rede Globo mostra o seu total desprezo pelas pobres crianças das escolas públicas.
Sua afiliada denunciou um caso de estupro (sic) contra uma menina (11 anos) dentro de uma escola pública estadual de São Paulo. A violência teria sido praticada por outros três adolescentes (12 a 14 anos) dentro da sala de aula da escola estadual EE Professor Orlando Perez, em São Carlos (SP), no bairro Cidade Aracy, o bairro mais pobre desta cidade. A reportagem fez questão de filmar e de dizer o nome da escola e até mesmo entrevistar a menina vítima dos abusos (“Só foi uma passada de mão, hoje foi só isso. Se eu não corro atrás, amanhã ou depois pode ser coisa pior”, disse a mãe da menina abusada). Veja aqui a reportagem da EPTV: “’Eu não queria isso’, diz menina estuprada dentro de sala de aula”, publicada no Portal G1, da Rede Globo.

Toda a nossa solidariedade à aluna vitimada e aos seus familiares.

Mas não podemos deixar de notar que a Rede Globo tem dois pesos e duas medidas conforme a classe social dos envolvidos.
No caso de Florianópolis (SC), em 2010, a Rede Globo, através da sua afiliada RBS, disse que não divulgava o caso do estupro praticado por 2 adolescentes (14 anos) em respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente… Naquele caso, um adolescente era filho de um delegado de polícia e o outro era filho de um diretor da RBS… nem mesmo o nome do colégio particular foi citado nas 2 únicas reportagens feitas 40 dias após o caso ser amplamente denunciado na internet e posteriormente denunciado na Rede Record de Televisão, concorrente direta da Rede Globo de Televisão.

Então ficamos assim: se dois adolescentes de classe média alta contarem vantagem de terem praticado um estupro, estes adolescentes terão suas identidades preservadas, sua escola terá nome mantido em sigilo; e serão tratados apenas como suspeitos de praticar ato infracional…
Mas se os acusados forem de famílias pobres, e estudantes de escola pública, terão sua escola divulgada no Brasil inteiro e no mundo… serão acusados de estupradores nas manchetes… serão suspensos ou expulsos da escola… serão encaminhados para a febem… e nem mesmo a vítima será preservada, pois ela será compelia a expor o seu drama sem que se apresente as mínimas providências para o acompanhamento psicossocial para que ela possas superar esta tragédia pessoal.

São Paulo, 10 de maio de 2012.
Mauro Alves da Silva
Presidente do Grêmio SER Sudeste – Promoção da Cidadania e Defesa do Consumidor.
https://gremiosudeste.wordpress.com/

Da Série “Paguei Prá Ver, Mas Não Estuprei”. #boicote_avon #boycott_avon #boicoteBBB12

Já imaginaram um empresa “Dedicada à mulher” financiando a baixaria do BBB12,que ofende a dignidade humana e principalmente a dignidade das mulheres?
Pois bem. Isso acontece com a Avon, multinacional de 125 anos, atuando no mercado de perfumes e “beleza”, voltada para as mulheres, com 6,5 milhões de revendedoras “interagindo com as famílias, levando beleza e relacionamentos”… imaginem qual é o principal tema das conversas das revendedoras Avon com as brasileiras e seus familiares neste começo de ano no Brasil… Será que conversam sobre o p0ssível estupro acontecido no Big Brother Brasil (BBB12, programa de baixarias da TV Globo)?

As redes sociais acusaram a Avon de estar patrocinando a baixaria do BBB12…
A Avon divulgou a seguinte nota:
“COMUNICADO. Diferentemente do que foi veiculado em alguns sites e posts na rede social, a Avon não é patrocinadora do programa Big Brother Brasil, exibido pela Rede Globo. A empresa apenas veicula comerciais de seus produtos nos intervalos da programação da emissora, o que faz com que os anúncios relacionados aos produtos Avon sejam vistos em várias oportunidades ao longo do dia. São Paulo, 17 de Janeiro de 2012. (da Avon, via CDN)”.
Quer dizer que pagar anúncios nos intervalos do BBB12 não é patrocinar a baixaria? não é financiar um programa que ofende a dignidade da mulher?
Parece que a empresa Avon considera os brasileiros e as brasileiras como trouxas, pois o seu comunicado pode ser entendido da seguinte maneira:
– Paguei prá ser vista ao lado da baixaria do BBB12, mas não estuprei.

Destaque:
Depois deste “brilhante comunicado”, a Avon voltou a “pagar para ser vista” nos intervalos da baixaria BBB12 de 22-01-2012…
E pensar que a Avon mantém um instituto que apresenta o vídeo “Fale sem Medo – Seminário Não Violência Doméstica – Cenário Biológico”.
***
E quem está vendo a baixaria do BBB12, votando por telefone, ou comprando os produtos ou serviços anunciados, parece que está dizendo:
– Paguei Prá Ver, Mas Não Estuprei.
Quem não quer financiar as baixarias do BBB12 boicota os produtos e serviços que estão financiando a baixaria do BBB12.
#boicote_guaranaantarctica
#boicote_fiat
#boicote_omo
#boicote_niely
#boicote_avon
#boicote_itau
#boicote_unip
#boicote_chevrolet
#boicote_santander
#boicote_MagazineLuiza
#boicote_tim
#boicote_Spoleto
#boicote_Pepsi
#boicote_FraldasPampers

São Paulo, 25 de janeiro de 2012.
Mauro Alves da Silva
http://blogdomaurosilva.wordpress.com/

TV Globo, Fantástico e professores “sem-classe”.

Mais uma vez o programa Fantástico (“Conselho de classe”, TV Globo, 20-11-2011) levou ao ar um novo capítulo da farsa que pretende livrar a cara das professorinhas-santas-abnegadas e demonizar os alunos das escolas públicas brasileiras.

Muitos colaboradores e simpatizantes do Movimento COEP haviam solicitado que fizéssemos uma avaliação sobre o quadro “Conselho de classe” (Programa Fantástico, TV Globo, 13-11-2011).

Já suspeitávamos que seria mais uma farsa produzida por jornalistas preguiçosos, para não dizer mal intencionados. Vide o que foi feito em 2010 (quadro “Turma 1901”).

De qualquer forma, mesmo já tendo feito uma avaliação preliminar sobre o programa apresentado em 13-11-2011, esperamos a divulgação do mais novo “capítulo”, em 20-11-2011.

No quadro apresentado em 13-11-2011, fica evidente que o Fantástico está mais preocupado com o show do que com a realidade. Professores estereotipados: “o exigente”, “a linha dura”, “o hiperativo”, “a mãezona”…

Os dados fundamentais ficam perdidos ao longo do “reality show”: a sala não está super lotada… a escola é de ensino integral (7 horas diárias)… não é apresentada a rotina dos alunos nem da escola… não é divulgada a nota da escola municipal República do Peru na Prova Rio de Janeiro [governo e corporação não prestam contas à sociedade]…

Os fatos graves são ignorados pelos coreógrafos [e não jornalistas] do Fantástico: professor perde o controle da classe… professor grita constantemente com os alunos… professor humilha aluna em rede nacional… aluno fala que é odiado pelo professor… professor fala que a relação com os alunos é de amor e ódio…

Pra não dizer que não falamos da [falta de] pedagogia, lembramos que os coreógrafos do Fantástico esqueceram de dizer que os alunos da “sala especial” não aprenderam porque seus professores também não ensinaram…

Uma curiosidade: o professor “hiperativo” mistura Deus com Darvin, ao sugerir que Deus criou o Australopithecus (macaco do sul), ancestral do Homo Sapiens, a sua imagem e semelhança… O que dirá os professores de religião que infestam as escolas do Rio de Janeiro? Este fato inusitado seria cômico, se não fosse trágico…

Finalmente, para não deixar dúvidas de que o reality show não tem compromisso com a realidade, o Fantástico apresentou uma coreografia onde alega que o professor disse “72 vezes” a palavra “senta”… as cenas mostrarem o professor “exigente” [que ama e odeia seus alunos] com camisas diferentes… seriam dias diferentes??? Mas isso não tem importância… o que importa é o show… e que se dane a realidade.

Professora ou vendedora de perfumes? Programa Fantástico sem classe (TV Globo, 20-11-2011).

Por dever de ofício, resolvemos assistir ao quadro “Conselho de classe” (Fantástico, TV Globo, 20-11-2011).

O programa começa apresentando a professora “linha dura” com cara de sono, dizendo que muitas vezes não tem vontade de ir à escola…

Mas, inadvertidamente, os coreógrafos [não são jornalistas] do Fantástico cometem um ato falho: dizem que a professora “linha dura” recebe R$ 1.340,00 de salário… mas é por trabalhar tão somente 16h (dezesseis horas) por semana… e que faz “bico” como vendedora de perfumes…
Será que a professora-vendedora-de-prefumes trabalha com a empresa patrocinadora deste reality show?

Para uma mãe ou pai de família fica difícil entender como é que uma pessoa consegue um emprego onde trabalha apenas 16h por semana, pouco mais de 3h por dia, quando a maioria da população trabalha 44h (quarenta e quatro horas por semana (8h por dia e mais 4h aos sábados) para ganhar menos de R$ 1.090 (menos de 2 salários mínimos)…

Se a professora-vendedora-de-perfumes trabalha pouco mais de 3h na escola, significa que o seu cansaço deve estar relacionado a outras atividades…

Faltou os coreógrafos [não são jornalistas] do Fantástico informarem qual é a atividade principal da professora “linha dura”: vender aulas por 3h ou vender perfumes pelo resto do dia?

Talvez o Fantástico esteja passando a mensagem sublminar de que é mais negócio vender perfumes do que vender aulas…

Para não dizer que não falamos sobre a [falta de] pedagogia, identificamos o completo equívoco dos professores e da direção escolar no caso de um aluno com fortes indícios de hiperatividade. Além de não promoverem atividades diferenciadas, nem esporte e nem cultura, ainda levam o aluno a um tribunal de exceção no qual a diretora acusa o aluno da pratica de um crime (sic): copiar as respostas de um colega…

Vale destacar que a “sala especial” é também para recuperar os alunos que não foram ensinados pela professora “linha dura” de língua portuguesa, aquela que gasta mais tempo vendendo perfumes do que vendendo aulas.

Por ultimo, parece-nos que os parajornalistas do Fantástico estão sofrendo da síndrome de GLEE, uma série norte-americana onde os problemas de uma escola pública sempre são resolvidos com canto, música e dança…sugerimos ao Fantástico que contrate um coreógrafo de verdade, a exemplo do Carlinhos de Jesus, para “coreografar” as professorinhas-santa-abnegadas e seus funks, evitando os espetáculos deprimentes ao final de cada capítulo deste reality show.

P.S.: nossos pêsames ao Carlinhos de Jesus e familiares pela morte do seu filho Carlos Eduardo Mendes de Jesus no último sábado.

São Paulo, 20 de novembro de 2011.
Mauro Alves da Silva
Presidente do Grêmio SER Sudeste – Promoção da Cidadania e Defesa do Consumidor
https://gremiosudeste.wordpress.com/
Coordenador do Movimento COEP – Comunidade de Olho na Escola Pública.
http://movimentocoep.ning.com/

Qual é a diferença entre burro e jumento? Pergunte à TV Globo e ao Faustão…

Um professor de educação física xingou o seu aluno de burro durante uma partida de handebol em Minas Gerais. O professor foi expulso da partida pelos juízes. O professor foi suspenso do torneio por 5 anos. O professor foi demitido da escola particular de Pouso Alegre-MG.

O apresentador Fausto Silva, apresentador do programa Domingão do Faustão (TV Globo), xingou uma criança de jumento no dia 09 de outubro, em uma suposta “homenagem” ao Dia das Crianças… Aliás, este programa tem um quadro chamado “videocassetadas”, onde apresenta vídeos que ofendem a dignidade de crianças, adolescentes, idos e obesos principalmente… Este quadro é patrocinado pela empresa mexicana de telefonia celular Claro…

O que a TV Globo pretende fazer sobre este caso de um seu funcionário/colaborador xingar uma criança de jumento em rede nacional?
Ou a TV Globo que promove o projeto “Criança Esperança” é uma; e a TV Globo que humilha crianças, idosos e obesos é outra?

Seria interessante também ouvir as manifestações do apresentador Serginho Groisman (TV Globo), o qual está promovendo uma campanha contra o bullying (violências físicas e morais entre alunos nas escolas). Em geral, o bullying começa com xingamentos… Qual é a opinião do Serginho Groisman sobre o seu colega Faustão, que xinga as crianças de jumento, pentelho, chato, japinha etc?

A TV Globo parece não ter nenhum controle de qualidade sobre o conteúdo dos seus programas… vejam que a apresentadora Ana Maria Braga até divulgou um livro que ensinava as mães a torturarem os filhos para que eles tirassem notas melhores nas escolas…

Pelo visto, a TV Globo, o Faustão e a empresa telefônica Claro vão continuar humilhando crianças, adolescentes, idosos e obesos por muito tempo… até que uma autoridade pública exerça o poder fiscalizador e garanta a dignidade das pessoas humanas, principalmente nos meios de comunicação que são concessão pública.

São Paulo, 24 de outubro de 2011.
Mauro Alves da Silva.
Presidente do Grêmio SER Sudeste – Promoção da Cidadania e Defesa do Consumidor.
https://gremiosudeste.wordpress.com/

%d blogueiros gostam disto: